Notícias

Buscar

SEBRAE-MA: FAMTOUR APROXIMA AGÊNCIAS DE VIAGENS E NEGÓCIOS CRIATIVOS EM SÃO LUÍS.


EM AÇÃO ORGANIZADA PELO SEBRAE, POR MEIO DO PROJETO TURISMO CRIATIVO, FORAM VISITADOS SEIS EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA COM POTENCIALIDADES PARA AGREGAR VALOR AO PRODUTO TURÍSTICO E DIVERSIFICAR A OFERTA, GERANDO NEGÓCIOS E NOVOS ROTEIROS.


Idealizado para aproximar agências de viagens de negócios criativos que têm como base a cultura e atuam em São Luís, o Famtour de Turismo Criativo colocou em rota de proximidade 20 agências locais e esses empreendimentos, dentro da programação do Mobiliza SLZ.

Em uma maratona de prospecção realizada na última quinta-feira, 09 de setembro, o grupo percorreu, na parte da manhã, atrativos no bairro da Liberdade – o Quilombo Urbano, o Ponto de Cultura Boi de Leonardo e o Terreiro de Mina, Ylê Ashé Oba Yzoo. E, na segunda etapa, as visitas ocorreram na Cozinha Ancestral, ao Barracão do Boi da Floresta de Mestre Apolônio Melônio e no Espaço Lizzi Concept Store, na Avenida Beira-Mar.

Nesses locais, os visitantes puderam conhecer detalhes da atuação e do perfil dos espaços, locais que apresentam potencial para incrementar a oferta turística e vocação para o turismo de experiência e para agregar valor à atividade turística, gerar novos roteiros e produtos, a partir da oferta de vivências singulares, que tem como ponto de convergência o empreendedorismo, a economia criativa articulada às riquezas e tradições culturais de São Luís.

PARA O DIRETOR TÉCNICO DO SEBRAE, MAURO BORRALHO (dir), ESSA OPORTUNIDADE ABERTA PELO MOBILIZA SLZ, POSSIBILITOU UMA INTERAÇÃO ENTRE AS AGÊNCIAS DE VIAGENS, QUE PODEM SE BENEFICIAR DESSA ARTICULAÇÃO, OFERTANDO NOVOS PRODUTOS PARA O TURISTA, O QUE CONTRIBUIRÁ MUITO PARA AMPLIAR O TEMPO DE PERMANÊNCIA DO VISITANTE EM SÃO LUÍS E A GERAÇÃO DE PRODUTOS PARA ATENDIMENTO DE NICHOS ESPECÍFICOS


Iniciativas como essa são muito produtivas, pois nos permitem aproximar duas pontas de uma cadeia com grandes potencialidades para gerar negócios, articulados à riqueza cultural do nosso estado e da capital, em um processo em que todos ganham”, pontuou o diretor técnico do SEBRAE-MA, Dr. Mauro Borralho. Nas visitas, ficaram evidentes aspectos como o rico potencial do reggae, do bumba-meu-boi de zabumba e de sotaque da Baixada, a tradição do bordado e atrativos que vem sendo criados por esses espaços, as tradições religiosas de matriz africana, a culinária e gastronomia maranhenses e um conceito de moda que envolve a articulação entre a os universos artesanal e roupas de luxo, elementos com capacidade de atração para o turista e ludovicenses, instalados em locais grande efervescência cultural e ligados a uma imensa rede de negócios criativos.


Exemplos disso são as possibilidades existentes nas vivências e no compartilhamento de saberes nas visitas ao Terreiro de Mina Terreiro de Mina, Ylê Ashé Oba Yzoo, comandado pelo Pai Wender Pinheiro, onde o turista pode conhecer alguns dos rituais e rotinas do espaço e a tradição das religiões de matriz africanas, ou no Quilombo Urbano, para vivenciar a cultura do reggae, em um espaço onde cada detalhe celebra essa que é uma marca cultural da cidade de São Luís. Ou no Ponto de Cultura do Boi de Leonardo, onde o bumba-meu-boi se evidencia como arte e criatividade.


PARA CARLOS ADALBERTO DOS SANTOS, DO QUILOMBO URBANO, O FAMTOUR "ABRIU OPORTUNIDADES PARA O EMPREENDEDOR E A POSSIBILIDADE DE CONTAR E PRESERVAR UMA OUTRA HISTÓRIA DE SÃO LUIS, PROTAGONIZADAS POR MINORIAS E ARTISTAS POPULARES."


Para Adriano Brito, da Agência Mundo Gekos, os locais visitados oferecem amplas potencialidades de aproveitamento pelas agências. “Alguns desses locais já tem o produto pronto para ser ofertado ao turista, com pequenas adaptações. Da parte das agências, teremos que definir precisamente para que segmentos vamos ofertar essas novas opções”, explica o empresário. Nas visitas, o contato com a história e personagens como Regina Avelar, filha do Mestre Leonardo e continuadora da obra, com Carlos Alberto dos Santos, do Quilombo Urbano, ou, ainda, com o líder do Terreiro Ylê Ashé são oportunidades para o turista vivenciar, nessas casas, o fazer diário e as esperanças de que essas tradições culturais se fortaleçam como base para negócios na cadeia turística.

Já no barracão do Boi da Floresta, os participantes do Famtour puderam compreender significados dos saberes populares impressos na obra iniciada há quase 50 anos por Apolônio Melônio, que sobrevivem na firmeza de Nadir Cruz e das novas gerações, dedicadas a manter vivo o bumba-meu-boi de sotaque da Baixada iniciado pelo mestre. O Boi de Apolônio oferece hoje à vida comunitária oportunidades de autoafirmação, além de horizontes de vida para as novas gerações, ajudando a manter famílias, atraindo jovens em situação de risco, em um reencontro com a esperança a partir do envolvimento com a cultura local.


Na visita à Cozinha Ancestral, outro momento marcante do Famtour do Turismo Criativo, o grupo conheceu o espaço onde à culinária maranhense se incorporam ingredientes de cultura e arte, resultando em um ambiente criativo com local para exposições e música e onde se pratica um conceito de gastronomia centrado nas tradições locais, temperado por sabores inusitados e azeitada pelo compartilhamento de saberes, que são impressões digitais da nossa ancestralidade e memória gastronômica. Encerrando o Famtour, a última parada foi no espaço Lizzi Concept Store, idealizado pela maranhense Lizyane Arize, em que tradição, modernidade e luxo se unem em um conceito de moda criativa, com raízes na cultura local, mas produzido com o um olhar futurista e ao mesmo tempo integrador. O espaço inclui bistrô, espaço de criação, arte e literatura e de produção, exposição e venda da moda criada por Lizzi, com peças que exibem detalhes exuberantes de bordadeiras do Boi da Floresta e outros redutos culturais da Ilha, gerados a partir de pesquisas e tecidos exclusivos, que resultam em algo inovador e reconhecível à nossa identidade. Segundo Renata Costa, gestora do Turismo Criativo no Polo São Luís, após o Famtour, as agências participantes vão agora oferecer feedbacks sobre os locais visitados e definir que produtos e equipamentos vão incluir em seus portifólios de venda e para que grupos específicos essas opções vão ser oferecidas. Há também a previsão de fazer uma rodada de visitas a esses locais com guias turísticos, para conhecer os atrativos. “Com essa iniciativa, o Mobiliza SLZ contribuiu de forma marcante para gerar conexões e bases de negócios, além de fortalecer uma consciência cada vez mais forte sobre o potencial da cultura local, o poder do empreendedorismo e o vigor da economia criativa em nossa cidade e o quanto a cadeia do turismo pode se beneficiar dessa integração com a cultura”, assinalou Renata Costa.


FONTE E FOTOS: ASCOM - SEBRAE/MA